Quando viveu Isaac Newton, afinal?

Quando viveu Isaac Newton, afinal?

Um leitor alertou que eu teria errado na coluna de 13 de abril, ao escrever que Isaac Newton viveu de 1642 a 1726: o correto seria 1643 a 1727. O assunto é complicado…

O problema é que um ano —tempo em que a Terra dá uma volta ao Sol— não é um número inteiro de dias: são 365 e uns quebrados.

Na república romana, não havia regra para resolver isso: a duração de cada ano civil era definida por decreto. E, como o fim do ano marcava o fim dos mandatos políticos, havia abusos.

Em 46 a.C., Júlio César criou um calendário fixo, com 365 dias e mais um inserido a cada 4 anos (ano bissexto). Isso funcionaria perfeitamente se o ano tivesse 365,25 dias, mas são apenas 365,2425 dias. Assim, o calendário juliano foi se deslocando com relação aos eventos astronômicos, o que causava mudança dos feriados religiosos.

Em 1582, o papa Gregório XIII criou uma regra que continua valendo: o dia extra não é mais inserido nos anos múltiplos de 100 que não sejam múltiplos de 400. Por exemplo, 1900 não foi bissexto e 2100
também não será.

As datas também foram adiantadas em dez dias, para recolocar as estações na posição certa com relação a equinócios e solstícios.

E o início do ano foi mudado para 1º de janeiro: antes era em 25 de março, o equinócio da primavera. É por isso que setembro se chama assim: era o sétimo mês do ano.

Muitos países demoraram a seguir a recomendação do papa. A Rússia só viria a fazê-lo no século 20, e é por isso que a revolução soviética de 7 de novembro de 1917 é chamada “revolução de outubro”. E a Inglaterra só adotou o calendário gregoriano em 1752.

Assim, Newton nasceu em 25 de dezembro de 1642, ou seja, 4 de janeiro de 1643 no calendário gregoriano. E morreu em 31 de março de 1727, pelo calendário gregoriano: pelo calendário vigente à época, era 20 de março e faltavam 4 dias para o final de 1726!

 

Leia na íntegra: Coluna Marcelo Viana – Folha de S. Paulo

A Folha de S. Paulo não autoriza a reprodução do seu conteúdo na íntegra para quem não é assinante. No entanto, é possível fazer um cadastro rápido que dá direito a um determinado número de acessos