Olimpíada de matemática também descobre professores de excelência

A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), criada pelo Impa em 2005, movimenta a cada ano mais de 18 milhões de jovens em praticamente 100% dos municípios brasileiros. Isso faz dela a maior competição escolar do mundo. Em 2017 ficou ainda maior, com a adesão das escolas particulares.

A Obmep tem como metas incentivar o estudo da matemática e descobrir talentos, em todo o território nacional e em todos os estratos sociais.

O impacto da Olimpíada e dos programas de formação que a acompanham –Programa de Iniciação Científica (PIC), Programa de Iniciação Científica e Mestrado (Picme), Polos Olímpicos de Treinamento Intensivo (Poti) e Obmep na Escola– nos estudantes está amplamente comprovado por estudos independentes.

Uma avaliação conduzida em 2014, por Francisco Soares (UFMG e ex-presidente do Inep), comprovou que escolas com envolvimento ativo na Obmep apresentam uma melhora média de 26 pontos na Prova Brasil.

É como se oferecessem a seus alunos 1,5 ano extra de escolaridade!

O mais importante: esta melhora diz respeito a todos os alunos dessas escolas, não apenas aos premiados.

Esse mesmo ponto é ressaltado na tese de doutorado defendida recentemente na renomada Universidade Harvard pela professora Diana Moreira, da Universidade da Califórnia.

 

Leia na íntegra: Colunista Marcelo Viana – Folha de S. Paulo

A Folha de S. Paulo não autoriza a reprodução do seu conteúdo na íntegra para quem não é assinante. No entanto, é possível fazer um cadastro rápido que dá direito a um determinado número de acessos