Meeting Brazil-France renova parceria entre os dois países

Meeting Brazil-France renova parceria entre os dois países

Integrantes do grupo de 11 países mais desenvolvidos em pesquisa matemática e parceiros de longa data na área, Brasil e França terão a oportunidade de estreitar os laços no 1st Joint Meeting Brazil-France in Mathematics, a ser realizado de 15 a 19 de julho no Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), no Jardim Botânico, Rio.

Durante uma semana, destacados pesquisadores dos Brasil e da França, como o brasileiro Artur Avila (IMPA/Universität Zürich), Medalha Fields 2014, e o francês Étienne Ghys (École Normale Supérieure-Lyon), diretor de pesquisa do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) e secretário perpétuo da Académie des Sciences, discutirão temas de ponta na Matemática.

As inscrições no encontro, que já tem cerca de 400 participantes, podem ser feitas aqui.

Organizado pelo IMPA e pelas sociedades matemáticas do Brasil (Sociedade Brasileira de Matemática – SBM e Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional) e da França (Société de Mathématiques Appliquées et Industrielles – SMAI e Société Mathématique de France – SMF), o evento inclui palestras sobre geometria, ministradas por Ghys, e uma apresentação do matemático João Cândido Portinari (PUC-Rio) sobre o projeto que criou para reunir e preservar o acervo do pai, o artista plástico Cândido Portinari (1903-1962).

O diretor-geral do IMPA, Marcelo Viana, afirma que o encontro foi criado “para renovar” a colaboração entre os dois países, iniciada na década de 50 com a visita de matemáticos franceses ao Brasil, como André Weil (1906-1998) e Laurent Schwartz (1915-2002). Com o passar dos anos, a parceria científica se intensificou, especialmente duas décadas depois, quando surgiu a possibilidade de o serviço militar francês ser substituído por trabalho em outros paí ses nas áreas de Educação ou Ciência.

“Muitos jovens matemáticos vieram para o IMPA, como Ghys e Jean-Christophe Yoccoz [1957-2016, Medalha Fields 1994]”, diz Viana, sobre dois pesquisadores honorários do IMPA.

A França também recebeu muitos matemáticos brasileiros, como Avila, que foi pesquisador do CNRS. Ele vê como muito positiva a realização de um evento “que celebra o histórico de colaboração entre os dois países” e  considera que o desenvolvimento rápido da matemática no Brasil “deve enormemente” a matemáticos franceses, como Michael Herman (1942-2000, nascido em Nova York e criado na França) e Harold Rosenberg, pesquisador extraordinário do IMPA.

“Embora não tenhamos mais, infelizmente, a possibilidade de ter o J.-C. (Yoccoz) no evento, é com muito prazer que observo que o Étienne Ghys nos prometeu cinco palestras para termos contato com a sua bela visão da matemática, que vem nos influenciando há 40 anos”, destaca Avila.

Rede Franco-Brasileira de Matemática

Viana é um exemplo de quão prolífica é a parceria entre Brasil e França. Em 2016, ele recebeu o Grand Prix Scientifique Louis D., principal prêmio científico francês, concedido pela Academia de Ciência da França, por trabalho sobre Teoria do Caos. O diretor-geral do IMPA dividiu a honraria com o francês François Labourie, da Universidade de Nice.

Parte do valor ganho à época Viana destinou para financiar o evento no IMPA. Também apoiam o encontro o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a Université Paris 13.

Para fortalecer a parceria, surgiu em 2000 a Rede Franco-Brasileira de Matemática, coordenada, no Brasil, pelo pesquisador emérito do IMPA, Jacob Palis. Além disso, desde 2004, o IMPA é Unidade Mista Internacional (UMI) do CNRS, principal agência francesa de fomento científico.

Reprodução: IMPA