Brasil sobe da 5ª divisão à elite da pesquisa matemática

Por decisão da União Matemática Internacional (IMU, na sigla em inglês), a partir de ontem o nosso país integra o grupo das nações mais avançadas na pesquisa matemática: Alemanha, Canadá, China, Estados Unidos, França, Israel, Itália, Japão, Reino Unido, Rússia e agora também o Brasil.

Sucesso de um projeto acalentado há algum tempo pelo Impa e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), esta promoção é também o culminar da trajetória única de nosso país no cenário mundial da matemática.

O Brasil aderiu à IMU em 1954. O começo foi modesto: os países membros da IMU estão organizados em cinco grupos, segundo o grau de desenvolvimento de sua matemática, e o Brasil começou no grupo 1, o menos importante.

Diz muito do despreparo de nossa comunidade na época o fato de que não temos nenhum registro escrito da adesão: não sabemos como aconteceu, nem sequer quem tomou a iniciativa (perguntei aos arquivos da IMU, em Berlim, mas ainda não obtive resposta).

 

Leia na íntegra: Colunista Marcelo Viana – Folha de S. Paulo

A Folha de S. Paulo não autoriza a reprodução do seu conteúdo na íntegra para quem não é assinante. No entanto, é possível fazer um cadastro rápido que dá direito a um determinado número de acessos