Carta Aberta da Sociedade Brasileira de Matemática para a Capes

A Sociedade Brasileira de Matemática face a publicação pela Capes da Portaria no. 145, no dia 10 de setembro de 2021 sobre o Qualis Periódicos, vem a público expressar  sua preocupação e inquietação a esta portaria que traz mudanças profundas na metodologia de classificação dos periódicos, desfazendo os critérios anteriormente acordados com as áreas e os seus referidos colégios.

Confira a carta aberta na integra aqui.

Nota de pesar pelo falecimento de Clóvis Caesar

Clóvis Caesar Gonzaga, uma das principais figuras da Matemática brasileira, faleceu em Florianópolis em 14.08.2021. Clóvis era casado com Tânia Gonzaga desde 1973, e foi membro da Academia Brasileira de Ciências desde 1996.  

A Sociedade Brasileira de Matemática lamenta a perda de um dos principais responsáveis pela afirmação internacional da Matemática brasileira, e compartilha o sentimento de luto com familiares, colegas e amigos.

A seguir, publicamos um pequeno relato redigido por colaboradores, ex-alunos e colegas do Clóvis.

Clóvis Caesar Gonzaga nasceu em Lages, Santa Catarina em 06.09.1944. Foi um garoto intelectualizado que cresceu em Joinville. Sempre gostou de ler, percorrendo obras de Friedrich Nietzsche, Jorge Amado, Aldous Huxley, Carlos Zefiro e Albert Camus. Ainda jovem percebeu que sua carreira seria científica. Em 1967, concluiu Engenharia Eletrônica no ITA, em São José dos Campos,SP. Fez pós-graduação na COPPE-UFRJ. No mestrado, que concluiu em 1970, foi orientado por Jean-Paul Jacob e no doutorado, em 1973, por Nelson Ortegosa da Cunha. Em 1976, concluiu  um pós-doutoramento na Universidade da California em Berkeley, nos Estados Unidos, sob supervisão de Elijah Polak. Foi professor da COPPE de 1970 a 1994. Em 1984, enquanto professor da COPPE foi convidado por Polak para substituí-lo em Berkeley. Foi um momento crucial na sua carreira. Naquele ano, Narendra Karmakar havia obtido um algoritmo para programação linear com complexidade O(n3,5L). Clóvis trabalhou arduamente acreditando ser possível melhorar esse limite. No Natal de 1986, deprimido por não ter obtido sucesso, recebeu  uma “fortune cookie” num restaurante chinês que dizia

You will finally solve a difficult problem that means much to you“.

Clóvis, que não era nada supersticioso, retornou encorajado à mesa de trabalho e obteve, após alguns dias, um algoritmo com complexidade polinomial O(n3 L). Este resultado, que revolucionou a área de otimização no Brasil e no mundo, foi publicado na SIAM Review em 1992 no artigo “Path-Following Methods for Linear Programming”.  Além de ter passado por Berkeley entre 1985 e 1987, foi professor visitante no INRIA, na França, entre 1992 e 1993 e na Delft University of Technology, na Holanda entre  1993 e 1994. Aposentou-se no Departamento de Matemática da UFSC, onde trabalhou desde 1995.

Clóvis era um dos maiores especialistas do mundo na área de Otimização Contínua. Além de suas contribuições para o desenvolvimento de métodos de pontos interiores, também trabalhou com métodos de Lagrangiano aumentado, métodos de filtro para otimização com restrições e, mais recentemente, obteve resultados fundamentais sobre métodos acelerados para otimização convexa. Seu legado científico é marcado pela elegância de seus métodos e pela beleza de suas demonstrações, frutos de uma intuição geométrica ímpar. Ao longo de sua carreira, recebeu vários prêmios e distinções. Tornou-se membro da Academia Brasileira de Ciências em 1996; recebeu a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico, em 2010;  foi nomeado SIAM Fellow em 2009; IFORS Lecturer em 2013; e membro da TWAS – Academy of Sciences for the Developing World em 2014. Em 2000, foi premiado pelo ISI – Web of Science por ser autor do artigo matemático brasileiro mais citado na década de 1990 e, em 2013, recebeu o Prêmio Khachyian da INFORMS Optimization Society.

Além das importantes contribuições teóricas já referidas, Clóvis se orgulhava de ter criado algoritmos computacionais utilizados na área da otimização energética. Baseado na otimização em grafos, o programa que desenvolveu na década dos anos 1970, chamado TANIA, foi por muitos anos referência na Eletrobras para planejar a expansão da rede de transmissão elétrica no Brasil. Em 2017, retomou seu olhar para os problemas energéticos, participando do projeto LYNX relacionado à aplicação da otimização em problemas de planejamento hidrotérmico, com financiamento da Copel e em cooperação com a UFPR e Institutos Lactec.

Clóvis tinha um espírito extraordinário para ideias abstratas, de alto nível,  e, simultaneamente, era consciente da realidade das pessoas e da vida. Essa ambivalência entre o mundo intelectual e o mundo “profano”, sempre presente, tornava sua personalidade única e fascinante. Militou em política em sua juventude, e se orientou mais à gastronomia no final da sua vida. Amante e grande conhecedor da música clássica e também do carnaval. Comparava um desfile no Sambódromo com uma noite na Ópera de Paris, mas assistindo a cinco ou seis óperas sucessivamente, uma por cada Escola de Samba. Fazia churrascos e “boeuf bourguignon” como ninguém. Tendo a matemática gravada no DNA, procurou erros lógicos na teoria psicanalítica de Jacques Lacan, e nas últimas semanas de vida, indagou conexões entre logaritmos e detecção da fraude bancária.

Com uma personalidade cativante e provocadora, inspirou gerações na comunidade de otimização contínua, tendo orientado dezenas de estudantes de doutorado e mestrado. O espírito universalista e a grandeza de Clóvis Gonzaga deixaram sua marca em muitos dos seus amigos e colegas.

Rio terá Olimpíada Carioca de Matemática

A cidade que já sediou os Jogos Olímpicos passa a ter também uma olimpíada de matemática para chamar de sua, graças a uma parceria do IMPA com a prefeitura do Rio de Janeiro. A Olimpíada Carioca de Matemática (OCM) foi lançada oficialmente nesta quarta-feira (11), em cerimônia na Escola Municipal de Gonçalves Dias, São Cristóvão, com as presenças do diretor-geral do IMPA, Marcelo Viana, do prefeito da cidade, Eduardo Paes, e do secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha. 

O IMPA será responsável por elaborar todas as provas da competição, que começa já neste ano e quer engajar estudantes cariocas na disciplina, além de buscar novos talentos nas escolas da prefeitura do Rio. A OCM vai alcançar cerca de 1.000 escolas da cidade.

Poderão participar da prova todos os alunos do 2º ano até o 9º ano de escolas da rede municipal do Rio. Eles serão divididos em quatro níveis, embora cada ano tenha sua própria premiação. A OCM vai distribuir medalhas de ouro para 5% dos alunos, de prata para 10% deles e bronze para 15% dos participantes, além de menção honrosa para outros 20%. 

Viagem à Disney e à Nasa

Além das medalhas, cinco meninas e cinco meninos em cada ano receberão uma premiação especial. Os 40 ganhadores a partir do 6ª ano vão ter direito a uma viagem de estudo à sede da Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos, e aos parques da Disney World, em Orlando, na Flórida, em julho do ano que vem. Os dez melhores alunos de cada ano a partir do 2º ano ganharão ainda um computador portátil e um curso de programação. 

“O IMPA tem enorme satisfação e orgulho em estar associado a esta iniciativa da prefeitura do Rio de Janeiro em prol da educação. O sucesso da OBMEP comprova que olimpíadas de matemática são um instrumento poderoso para a descoberta de talentos e o incentivo à aprendizagem, realçando o caráter lúdico dessa aprendizagem. A experiência da OCM também será muito útil para o IMPA em seu esforço para estender a OBMEP para os anos iniciais”, disse Viana.

Divulgação/ Prefeitura do Rio

 

O IMPA foi peça-chave na elaboração da competição. A prefeitura usou como referências a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e a Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM).

“[A OBMEP] é uma política pública educacional que deu certo, que mostra resultados, ampara, ajuda, conecta e, acima de tudo, mostra para a garotada que dá para sonhar através do caminho do conhecimento”, disse na cerimônia o secretário de Educação, Renan Ferreirinha, multimedalhista com participação em seis edições da OBMEP. “A OBMEP foi o que abriu meus horizontes além daquilo que era exposto”, contou. 

Assim como a OBMEP, a OCM acontecerá em duas fases. A diferença é que, na olimpíada carioca, a primeira fase não será uma prova, mas a avaliação do desempenho dos alunos em sala de aula ao longo do 3º bimestre. Os classificados nesse critério passam para a segunda fase, opcional, que é quando os estudantes farão a prova elaborada pelo IMPA. Na primeira edição, que começa neste ano, as provas serão aplicadas em 4 de novembro. Os resultados, segundo o calendário da OCM também divulgado nesta quarta (11), saem até 15 de dezembro.

A OCM também vai oferecer gratificações a professores, diretores e escolas, que receberão um laboratório de marcenaria em 3D. Já os professores e diretores com a maior proporção de alunos premiados vão ser premiados com uma viagem internacional de formação.

Aumento do Fator de Impacto do Bulletin da SBM

O fator de de impacto de Bulletin of the Brazilian Mathematical Society subiu para 1.177 (2020) e foram mais de 30 mil donwloads.

O Boletim é uma revista da #SBM e distribuído pela Springer, que publica artigos de alta qualidade em matemática e conta com um corpo editorial de alto nível e tem Marcelo Viana como editor-chefe.

A revista é de grande aceitação na comunidade matemática internacional.

Convidamos todos a conhecer a revista e submeter seus trabalhos.

Mais informações em www.springer.com/journal/57

Nota de preocupação sobre a vulnerabilidade dos sistemas operacionais do CNPq

As Sociedades Científicas abaixo assinadas manifestam grande preocupação diante da indisponibilidade dos sistemas operacionais do CNPq, incluindo as Plataformas Lattes e Carlos Chagas, tendo em vista o papel fundamental desses sistemas no gerenciamento da pesquisa científica nacional.

A Plataforma Lattes, com mais de 20 anos de funcionamento ininterrupto, foi concebida para facilitar a gestão e operacionalização do fomento à pesquisa, bem como para uniformizar e centralizar a coleta de dados sobre a ciência realizada em nosso país. O grande êxito dessa iniciativa se reflete na sua adoção como plataforma preferencial de consulta pela comunidade em um sentido amplo e como ferramenta de acompanhamento e avaliação da pesquisa realizada no país, tanto pelo CNPq quanto por outras agências de fomento à pesquisa, federais e estaduais, e por instituições de ensino e pesquisa. Durante esse período, além do Currículo Lattes, a Plataforma Lattes incorporou novas bases de dados e funcionalidades, como o Diretório de Grupos de Pesquisa, o Diretório de Instituições e o Extrator Lattes. Também nasceu a Plataforma Carlos Chagas, que permitiu um gerenciamento mais eficiente de diversos programas implementados pelo CNPq, exercendo protagonismo no salto quantitativo e qualitativo da produção científica nacional nas últimas décadas.

As nossas Sociedades, assim como a comunidade científica em geral, têm se manifestado de forma recorrente sobre as consequências deletérias dos sucessivos cortes no orçamento destinado à ciência, à tecnologia e à inovação. Em particular, o CNPq tem sido fortemente impactado por esses cortes. Além da redução do seu orçamento para o fomento propriamente dito, que são essenciais para o Sistema Nacional de CT&I do Brasil, houve uma expressiva redução em recursos para custeio operacional e para
manutenção de pessoal técnico da agência.

Esta semana, infelizmente, deparamo-nos com um sério problema técnico que levou à indisponibilidade dos sistemas do CNPq, expondo as dificuldades que essa agência tem enfrentado para a manutenção de seus programas e atividades. Parece-nos claro que, em um cenário mais favorável, o controle e a modernização dos equipamentos de TI que dão suporte a esses sistemas poderiam transcorrer de forma suave.

Exortamos as autoridades que definem as políticas de fomento à ciência e tecnologia, e às agências que lhes dão suporte, a reverter esse quadro crítico, recompondo os recursos necessários ao funcionamento pleno do CNPq. Criado em 1951, o CNPq tem alavancado o desenvolvimento da ciência e da tecnologia brasileira, servindo de exemplo, como agência de fomento, para outros países. Mas tal missão só poderá ser mantida através de uma política de financiamento à pesquisa que seja coerente, estável e previsível.

Ao pessoal técnico e cientistas que fazem parte do CNPq, trabalhando com compromisso neste cenário limitado de recursos, manifestamos a nossa solidariedade. Compartilhamos da expectativa de que a restauração do acesso aos sistemas operacionais possa ser feita com a maior brevidade possível.

Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional – SBMAC

Associação Brasileira de Estatística – ABE

Sociedade Brasileira de Educação Matemática – SBEM

Sociedade Brasileira de Lógica – SBL

Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional – SOBRAPO

Sociedade Brasileira de Matemática – SBM

Entrevista inédita com a ganhadora do prêmio Abel, Karen Uhlenbeck, é lançada pelo INCTMat

O INCTMat organizou uma entrevista inédita com a única mulher a ganhar o prêmio Abel até o momento, a pesquisadora Karen Uhlenbeck. Para entrevistá-la, o INCTMat convidou as professoras Jaqueline Godoy Mesquita (UnB), María Amelia Salazar (UFF) e Miriam da Silva Pereira (UFPB) e a estudante de pós-graduação Patrícia Ewald (USP-SP). Lorenzo J. Díaz (PUC-Rio) participou da elaboração e coordenação da entrevista. O professor Marcos Jardim (Unicamp) fez uma breve apresentação da entrevista. Finalmente, para montar esta entrevista, contou-se com o apoio de uma grande equipe de profissionais composta desde técnicos até tradutores.

Karen Uhlenbeck doutorou-se em 1968 na Universidade Brandeis sob a orientação de Richard Palais. Ela atua na área de análise geométrica, tendo tido contribuições de grande impacto na área. Ao longo de sua trajetória, ela tem recebido destacados prêmios e reconhecimentos. Uhlenbeck passou a maior parte da sua carreira acadêmica na Universidade do Texas em Austin e atualmente é pesquisadora visitante no Instituto de Estudos Avançados em Princeton.

Nesta entrevista, diversos aspectos da trajetória acadêmica de Uhlenbeck foram abordados sob uma perspectiva voltada para a realidade brasileira. Foram discutidos um amplo leque de tópicos, que vão desde sua pesquisa até questões sobre carreira acadêmica, participação em seminários, orientação e publicação de artigos. A entrevista traz importantes tópicos como a falta de representatividade feminina na área de matemática, a inclusão de minorias sub-representadas e a importância da diversidade na academia. Na entrevista, Uhlenbeck também relata os desafios enfrentados por ela e descreve algumas ações que estão sendo feitas para tentar reverter este cenário.

 

Confira a entrevista completa em: https://youtu.be/nSg7aApRniw

Fonte: INCTMat

Simpósio da ABC apresenta inovações em matemática nesta terça-feira – 13/07/2021

A programação terá palestras de pesquisadores da UFRGS, PUC-Rio, Ufal e IMPA.

Como se forma a estrutura estável das bolhas de sabão? Quantas vezes é preciso embaralhar cartas para garantir que elas estejam bem misturadas? Por mais surpreendente que pareça, estes são alguns fenômenos que a matemática tenta compreender. Nesta terça-feira (13), às 16h, a Academia Brasileira de Ciências (ABC) promove o 5º Simpósio Científico de Membros Afiliados da ABC: Ciências Matemáticas. O evento, com transmissão pelo YouTube da ABC, trará ao público a possibilidade de conhecer a matemática por trás destes e outros mistérios.

Quatro novos membros afiliados da ABC vão apresentar suas pesquisas inovadoras em temas como comportamento de fluidos, equações diferenciais parciais e teoria de regularidade, estruturas geométricas estáveis e convergência ao equilíbrio de cadeias de Markov. Veja abaixo a programação do Simpósio.

Os novos afiliados são Adriana Neumann de Oliveira (UFRGS), Edgard Almeida Pimentel (PUC-Rio), Gregório Manoel da Silva Neto (Ufal) e Hubert Lacoin (IMPA). O simpósio será coordenado por Maria José Pacífico (UFRJ), titular da ABC. E contará também com as debatedoras Jaqueline Mesquita e Ana Shirley Ferreira da Silva, membros afiliados da Academia.

“O simpósio é uma ocasião especial porque oferece um recorte do que está acontecendo na matemática brasileira. Por reunir pesquisadores jovens, de várias partes do país, acho que vamos ter um panorama bastante geral e moderno dos problemas que têm atraído o interesse da comunidade. Além da chance de fazer perguntas, sobre matemática ou temas científicos correlatos, e conhecer um pouco mais sobre o que estas pessoas pensam”, afirma Pimentel, que fará uma palestra sobre ”Equações diferenciais parciais e teoria de regularidade”.

O evento é uma oportunidade para conhecer as pesquisas de novos membros afiliados da Academia, eleitos anualmente por região e que apresentarão suas contribuições à ciência em 12 simpósios, de diferentes áreas, ao longo do ano. 

“Estou empolgado em descobrir as pesquisas de colegas que trabalham em áreas da matemática diferentes da minha. Normalmente, temos contato com pesquisadores da mesma especialidade. Sair dessa especialização e ir ao encontro de um público maior é uma coisa muito saudável”, destaca Lacoin.

A transmissão pelo YouTube da ABC é aberta a todos os interessados. Para obter certificado de participação é preciso se inscrever neste link.

 

Programação do 5º Simpósio Científico dos Membros Afiliados da ABC

Adriana Neumann de Oliveira (UFRGS)

“Entendendo o comportamento de fluidos, através do estudo de sistemas de partículas que interagem entre si seguindo regras probabilísticas” 

Professora associada da UFRGS, atua em matemática com foco na área de probabilidade, mais especificamente em pesquisas sobre sistemas de partículas interagentes. Recebeu o Prêmio para Mulheres na Ciência L’Oréal-Unesco-ABC de 2016.

Edgard Almeida Pimentel (PUC-Rio)

”Equações diferenciais parciais e teoria de regularidade”

Professor do Departamento de Matemática da PUC-Rio, pesquisa a análise de equações diferenciais parciais, com ênfase na teoria de regularidade. Foi grantee do Instituto Serrapilheira na segunda chamada pública, de 2019, e premiado pelo  International Centre for Theoretical Physics (ICTP-Trieste, Itália) com a Junior Associate Fellowship em, 2018.

Gregório Manoel da Silva Neto (Ufal)

“À procura de estruturas geométricas estáveis”

Professor Adjunto da Ufal, dedica-se à área da geometria diferencial. Sua pesquisa envolve determinar as propriedades geométricas dos espaços curvos e de objetos dentro desses espaços. Foi menção honrosa na X Olimpíada Iberoamericana de Matemática Universitária e no 3º Simpósio Nacional das Jornadas de Iniciação Científica no IMPA.

Hubert Lacoin (IMPA)

“Convergência ao equilíbrio de cadeias de Markov ou a Matemática de embaralhamento”

Pesquisador Associado do IMPA, é bolsista de Produtividade 1D do CNPq e bolsista JCNE da FAPERJ. Suas pesquisas envolvem teoria das probabilidades e física matemática. Recebeu o Prêmio Perrissin-Pirasset / Schneider da Chancelaria das Universidades de Paris (2010) e o Prêmio des Annales de l’IHP (2013).

 

Assessoria de Imprensa

Corcovado Comunicação Estratégica

Cecília Manzoni 

(21) 99490-3388 / cecinpman@gmail.com

Luisa Belchior 

(21) 96700-2700/ lulibm@gmail.com

Carla Russo

(21) 99196-4250 / carlarusso30@gmail.com

Raphael Gomide

(21) 98734-5544 / rgomide@gmail.com

Mulheres na Matemática – 12 de maio

O dia 12 de maio é o dia da celebração da participação de mulheres na matemática e foi escolhido em homenagem à matemática Maryam Mirzakhani. No Brasil, o movimento por mais mulheres e diversidade na Matemática vem crescendo, e as conquistas já são inúmeras. Mas se há muitas razões para celebrar, também ainda há muitas razões para lutar.
A Comissão de Gênero da SBM e da SBMAC elaborou Noticiário Especial para esta data, com entrevistas inéditas.

Confira aqui


Programa Mulheres na Ciência tem inscrições abertas para 16° edição

Estão abertas as inscrições do programa Mulheres na Ciência, realizado pela L’Óreal em parceria com a Unesco e a Academia Brasileira de Ciências.

Em 2021 o programa Mulheres na Ciência chega a sua 16° edição no Brasil. O projeto alerta sobre a importância da inclusão das mulheres no setor e reforça a necessidade de ampliação do prazo de conclusão do doutorado para cientistas que são mães.

O programa é realizado através de uma parceria entre a L’Oréal, a Unesco e a Academia Brasileira de Ciências. Todo ano, na edição local, sete pesquisadoras são contempladas com uma bolsa-auxílio de R$50 mil cada para auxiliar em suas pesquisas.

O prêmio tem como objetivo promover e reconhecer a participação da mulher na ciência, favorecendo o equilíbrio dos gêneros no cenário brasileiro. O programa é aberto à participação de pesquisadoras nas seguintes áreas:

  • Ciências da Vida; 
  • Ciências Físicas; 
  • Ciências Químicas; e 
  • Matemática.

As inscrições dessa edição já estão abertas e devem ser realizadas até o dia 10 de maio, no site do programa . As vencedoras serão anunciadas a partir de abril.


Ciclo de Lives: 12 de Maio

Em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres na Matemática, a Comissão de Gênero da SBM e da SBMAC organizaram o ciclo de lives:”12 de maio: razões para celebrar, razões para lutar”.

Será uma live por semana e todas transmitidas pelos canais do YouTube da SBM e da SBMAC.

Inscreva-se AQUI em nosso canal, ative o “sininho” e receba todas as notificações!

Nota da SBM sobre a Presidência da CAPES

A Sociedade Brasileira de Matemática manifesta sua preocupação a propósito da indicação da nova presidência da CAPES. O currículo acadêmico da Dra. Cláudia Mansani Queda de Toledo não possui características adequadas ao cargo de máximo dirigente do país quanto à pós-graduação. O Presidente da CAPES deve ter o perfil acadêmico, a visão de política científica e a acreditação da comunidade e das instituições, nacionais e internacionais, que são atributos indispensáveis a um cargo técnico desta natureza.

O sistema nacional de pós-graduação e pesquisa, desde que constituído formalmente com a criação da CAPES e do CNPq, tem sido um exemplo de gestão pública direcionada pelo mérito e pela busca de excelência, norteada por evidências geradas por um sistemático trabalho de avaliação. Em sua trajetória, a CAPES conjugou a necessária preocupação em inspirar-se nos modelos internacionais exitosos à ainda mais crucial missão de povoar, adensar e qualificar o Brasil com as sementes da Ciência e Inovação vitais para superar nossa crônica defasagem em relação às nações desenvolvidas, agravada de modo lancinante com a deterioração do investimento em pesquisa e educação na última década.

Ao longo de governos das mais variadas orientações políticas, a CAPES gozou da independência e liberdade próprias da gestão científica. Mesmo os altos e baixos do financiamento à pesquisa e pós-graduação e a inexistência, na prática, de uma política de estado para estes setores, não foram impeditivos para que tivéssemos no Brasil um sistema robusto, em que convivem o rigor das avaliações sob métricas objetivas e exigentes e as políticas de indução que tem formado gerações de profissionais inovadores na academia, no governo, na indústria e em todos os demais setores sociais, impulsionando o desenvolvimento de nosso país.

A Sociedade Brasileira de Matemática expressa nesta nota a preocupação de toda a comunidade de matemáticos e instituições que representa quanto à mudança na Presidência da CAPES, responsável por conduzir, entre outras ações de imensa complexidade, a avaliação quadrienal de todos os programas de pós-graduação, políticas de internacionalização das universidades brasileiras como o CAPES-PrInt e um sem-número de programas voltadas a temas tão diversos quanto o fomento à inovação, a formação pós-graduada de professores de educação básica ou a pesquisa aplicada ao enfrentamento da pandemia de Covid-19.

A indicação recente e inesperada, jamais dialogada com os demais agentes do sistema, da Dra. Cláudia Mansani Queda de Toledo coloca em xeque um legado de mais de 60 anos de um delicado concerto de ações, pessoas e instituições que resultou em um modelo, enfatizamos, em que disputas políticas de menor expressão jamais lograram qualquer influência, garantindo que a CAPES fosse respeitosa e sabiamente preservada em sua missão, até este momento preocupante de nossa curta mas intensa história da ciência no Brasil.

Endossamos, em particular, a Nota da Sociedade Brasileira de Física, solicitando que o Ministério da Educação reconsidere sua indicação, e nomeie para o cargo de Presidente da Capes uma figura profissional com formação cônsona às exigências.

São Paulo, 16 de abril de 2021.

Paolo Piccione
Presidente da Sociedade Brasileira de Matemática

COMUNICADO

Devido a antecipação dos feriados no Rio de Janeiro as atividades na SBM serão suspensas entre os dias 26 de março e 04 de abril, incluindo a expedição dos livros e atendimento aos clientes e associados.
Retomaremos as atividades no dia 05 de abril.

Eleições SBM – votação aberta até 24/05/2021

Convidamos todos os associados efetivos com a anuidade em dia e que tenham mais de 1 ano de associação a votarem para escolha da Diretoria (biênio 2021-2023) Conselho Diretor (quadriênio 2021-2025), Conselho Fiscal e Secretarias Regionais (biênio 2021-2023).

A votação será realizada pelo sistema de eleição da SBM (https://votacao.sbm.org.br/) no período de 22 de março a 24 de maio de 2021. Para votar é necessário fazer seu login com o e-mail e senha cadastrado no sistema de associados. Caso tenha esquecido a sua senha, é possível recuperá-la no Cadastro de associados: https://associados.sbm.org.br/

Associados efetivos que não estiverem com anuidade 2021 em dia e desejarem participar do processo eleitoral deverão acessar o Cadastro de Associados https://associados.sbm.org.br/ e regularizarem sua situação.

Em caso de dúvida, você pode entrar em contato com a Secretaria da SBM, por meio do e-mail secretaria@sbm.org.br

A sua participação é muito importante!