Descobertas matemáticas nas praias do Rio

Quando o matemático americano Steve Smale comprou um iate, nos anos 1980, seu primeiro passeio não foi uma volta perto de casa, em Los Angeles, para ganhar traquejo. Saiu em um cruzeiro de milhares de milhas até o Pacífico Sul, na companhia de dois amigos, um deles o saudoso Welington de Melo. De volta à Califórnia, vendeu o iate e nunca mais velejou: o que mais se pode fazer depois de cruzar o maior oceano do planeta?

Esse é também o jeito como Smale faz matemática: visa o grande objetivo, prova o teorema (quase sempre) e passa para outro tema, bem diferente. Desta forma, já deu contribuições importantíssimas em topologia, sistemas dinâmicos, economia matemática, análise global, mecânica, teoria dos circuitos elétricos, programação matemática e teoria da computação.

 

Leia na íntegra: Colunista Marcelo Viana – Folha de S. Paulo

A Folha de S. Paulo não autoriza a reprodução do seu conteúdo na íntegra para quem não é assinante. No entanto, é possível fazer um cadastro rápido que dá direito a um determinado número de acessos.